Home
- Quem Somos
- Diretoria
- Colaboradores
Relatórios
- Veja +
Como Colaborar
- Em Breve
Nº de Visitantes

Projeto PJ – MAIS Paraibuna



O Programa de Jovens – Meio Ambiente e Integração Social (PJ-MAIS) é um programa que tem por objetivo a inclusão social por meio da educação ecoprofissional e da formação integral de jovens com idade entre 15 e 21 anos. Associa a conservação ambiental à inclusão social em áreas sob forte pressão antrópica, como regiões de mananciais e zonas de amortecimento de unidades de conservação. Seu início data de 1996, com um projeto-piloto no município de São Roque/SP e, atualmente, está presente em 15 dos 78 municípios integrantes da Reserva da Biosfera do Cinturão Verde da Cidade de São Paulo (RBCV). O PJ-MAIS é um programa da RBCV, cuja coordenação executiva é exercida pelo Instituto Florestal do Estado de São Paulo, órgão subordinado à Secretaria de Estado do Meio Ambiente.

O processo educativo formativo do PJ-MAIS estimula o protagonismo juvenil e o despertar de todas as potencialidades latentes no jovem e cria oportunidades de vivências produtivas e reflexivas de bens e serviços, desenvolvendo a capacidade de iniciativa. A formação tem duração de quatro módulos semestrais, sendo o 1º módulo voltado a despertar vocações, interesses e vontades; o 2º módulo voltado a instrumentalizar para a capacitação na ação; o 3º módulo é voltado para contextualizar as ações inclusivas e co-responsáveis e o 4º módulo voltado à geração de competências ecoprofissionais. Os dois primeiros módulos consistem no Ciclo Básico e os dois últimos no Ciclo de Especialização. Para participar da formação, o jovem deve estar cursando (ou ter concluído) o ensino médio num estabelecimento público de ensino.
Em 2006, o Instituto H&H Fauser (IHHF) estabeleceu parceria com a RBCV para a implantação de um núcleo do PJ-MAIS em Paraibuna, município da porção paulista do Vale do Paraíba que abriga um importante manancial de águas e parte do Parque Estadual da Serra do Mar e que possui 18,36% (3.123 habitantes) da sua população com idade entre 15 e 24 anos, dos quais 30% estão cursando o ensino médio.
O município de Paraibuna possui características que o tornam um município de migrantes: está próxima a municípios industrializados e bem dotados de instituições de pesquisa e de ensino técnico e universitário (São José dos Campos, Jacareí e Taubaté, principalmente) e, portanto importantes pólos atratores de força de trabalho; tem baixa oferta de oportunidades de capacitação profissional e baixa oferta de oportunidades de trabalho. Agravando este quadro, o jovem de Paraibuna possui pouco conhecimento da realidade e dos valores locais, o que conduz a uma baixa auto-estima, e ao completar 18 anos de idade (em alguns casos, ao completar 16 anos), independentemente da condição sócio-econômica da família, deve tornar-se economicamente ativo, a menos que ingresse no ensino universitário ou no ensino profissionalizante reconhecido. Embora a demanda pelo ensino médio seja atendida pelas três escolas públicas existentes e a rede do Serviço Nacional de Aprendizado Rural (SENAR) ofereça, sem periodicidade fixa, cursos de capacitação para atividades rurais, o ensino profissionalizante reconhecido e o ensino universitário estão disponíveis somente fora do município. Depois de formados em curso técnico ou universitário, os jovens têm grande dificuldade de colocação profissional no município.
Dentro desta realidade, em agosto de 2007, foi iniciada a primeira turma do PJ-MAIS de Paraibuna, na qual foram formados 22 jovens no Ciclo Básico e 10 no Ciclo de Especialização, respectivamente nos anos de 2008 e 2009.  Em agosto de 2009, foi iniciada a segunda turma, na qual foram formados 11 jovens no Ciclo Básico e 5 jovens no Ciclo de Especialização.
Em agosto de 2011, o Instituto H&H Fauser e a Petrobras celebraram um convênio com a com objetivo de ampliar o número de jovens atendidos; reduzir a evasão do Programa e ampliar o ecomercado de trabalho, por meio da introdução da metodologia do Empreendimento-Escola .

O PJ – MAIS Paraibuna


O PJ-MAIS de Paraibuna está instalado em dois pólos: na antiga escola rural da Fazenda São Pedro, no km 10,5 da Estrada Paraibuna – Santa Branca, bairro Boa Vista, zona rural de Paraibuna, e no Bairro do Espírito Santo.
O processo de seleção dos jovens que participam do PJ-MAIS de Paraibuna é antecedido por uma apresentação do Programa nas escolas públicas de ensino médio e pela distribuição de fichas de inscrição. Os jovens inscritos são convidados a participar do processo de seleção, que tem duração de três dias. Nestes três dias, o Programa e as oficinas temáticas são apresentados de forma mais detalhada e os jovens são convidados a confirmar o interesse em participar do Programa.
Acontecendo do número de jovens ser maior do que o número de vagas oferecidas, são aplicados os critérios de prioridade, estabelecidos pela coordenação do PJ-MAIS: foco em jovens de 15 a 21 anos de comunidades social e economicamente desfavorecidas (25% não precisam atender esses critérios), que estejam cursando ou tenham cursado o ensino médio em instituição pública de ensino e a menor renda familiar. A decisão é tomada em conjunto com todo o grupo de inscritos e busca-se, a partir desse momento, trabalhar a responsabilidade dos jovens com o outro e com o PJ-MAIS, pois a sua permanência no Programa demandou a não-participação de alguém.
Os dois primeiros módulos compreendem o Ciclo Básico e os dois últimos o Ciclo de Especialização. No Ciclo Básico do PJ-MAIS de Paraibuna, os jovens recebem informações teóricas e práticas nas quatro oficinas temáticas: Produção e Manejo Agrícola e Florestal Sustentáveis (PROMAFS), Agroindústria Artesanal, Consumo Lixo e Arte e Turismo Sustentável além da Formação Integral.
No segundo ciclo ou Ciclo de Especialização, os jovens escolhem em qual (ou quais) oficina(s) temática(s) desejam especializar-se. Com base nesta escolha, deve elaborar o seu projeto pessoal de inserção no mercado de trabalho e de participação ativa em sua comunidade. Estes projetos são desenvolvidos no âmbito de uma quinta oficina denominada Iniciação Científica Júnior. É pré-requisito para cursar o Ciclo de Especialização ter concluído o Ciclo Básico.
Durante o desenvolvimento da primeira turma do PJ-MAIS de Paraibuna, foi observado que os estudantes percebem o tempo de duração do Programa como sendo muito longo. Assim, com o objetivo de estimular os jovens a continuar no Programa, o PJ-MAIS de Paraibuna iniciou a experiência de conferir um certificado para os estudantes que concluem o Ciclo Básico e outro certificado para os que concluem o Ciclo de Especialização. Está prática, ainda não difundida na rede do PJ-MAIS, tem mostrado alguns resultados positivos: alguns jovens que somente concluíram o ciclo básico informaram que, para a obtenção da atual vaga de trabalho, o certificado de conclusão do ciclo básico do PJ-MAIS foi decisivo.
Está previsto no projeto o fornecimento de almoço e um lanche no meio do período de aula para os jovens. Observou-se, durante o acompanhamento das duas primeiras turmas do PJ-MAIS de Paraibuna, que a refeição em conjunto constitui-se em importante momento de socialização e de fortalecimento do grupo.
A formação dos jovens dá-se sempre em 4 períodos por semana, de 4 horas cada, totalizando:



2 módulos básicos: 360 horas;


2 módulos de especialização: 360 horas;



A partir do 2º módulo, os jovens participam do processo de seleção dos futuros participantes e iniciam na tarefa de monitoria dos jovens iniciantes. A partir do 3º módulo, iniciam a elaboração do projeto de intervenção nas suas comunidades e os seus projetos de profissionalização.
A partir do Ciclo de Especialização, os jovens iniciam a capacitação para o empreendedorismo, por meio da metodologia do Empreendimento-Escola , desenvolvida pela Associação Holística de Participação Comunitária Ecológica (AHPCE).
A Equipe Pedagógica do PJ-MAIS de Paraibuna tem uma coordenação geral exercida por um profissional com formação universitária e capacitação na metodologia do Programa. Cada oficina temática é coordenada, igualmente, por um profissional com formação universitária e capacitação na metodologia do Programa.

Além desses profissionais, são convidados artesãos e técnicos locais, com formações variadas e sólida vivência nas suas áreas de atuação, para desenvolver oficinas e ministrar palestras, de forma voluntária e/ou remunerada.

Os Resultados do PJ-MAIS de Paraibuna



O PJ-MAIS de Paraibuna formou, em julho de 2008, os 22 jovens da primeira turma no Ciclo Básico e, em julho de 2009, 10 jovens no Ciclo de Especialização, sendo que 5 destes jovens concluíram a Oficina Iniciação Científica Júnior. O reconhecimento deste trabalho, no município, já possibilitou a colocação profissional de 4 destes jovens e a atuação de outros 3 como monitores ambientais e culturais, bem como motivou vários  convites para os jovens do PJ-MAIS participarem de cursos, visitas técnicas e de diversos fóruns locais. Da segunda turma, foram formados 11 jovens no Ciclo Básico e 5 estão cursando o último módulo do Ciclo de Especialização.
Em decorrência da Oficina de Iniciação Científica Jr. , desenvolvida no âmbito do PJ-MAIS de Paraibuna, foram inscritos 4 projetos de pesquisa dos jovens na Feira Brasileira de Ciências e Engenharia - FEBRACE, dos quais 2 foram selecionados para serem apresentados na FEBRACE 2009.
Lidiane Assis Santos (16 anos) recebeu o prêmio de terceiro melhor trabalho do Brasil na área de Ciências Agrárias, com o trabalho “Produtores de Campomanesia phaea em parte da Área de Amortecimento do Parque Estadual da Serra do Mar, Município de Paraibuna – SP”. Clara Maria Rangel de Freitas Moreira (17 anos) recebeu o prêmio de segundo melhor trabalho do Brasil na área de Humanas, com o trabalho “Patrimônio Histórico e Cultural do Bairro Remedinho dos Prazeres, Paraibuna, SP”. Ambos tiveram como objeto de estudo a área de amortecimento do Parque Estadual da Serra do Mar e as autoras pretendem dar continuidade, numa perspectiva de gerar renda para as comunidades locais, preservando o meio ambiente e a cultura. O trabalho “Patrimônio Histórico e Cultural do Bairro Remedinho dos Prazeres, Paraibuna, SP” foi um dos 10 finalistas do projeto "Cientistas do Amanhã" e apresentado durante a 61ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Manaus, AM. E o trabalho “Produtores de Campomanesia phaea em parte da Área de Amortecimento do Parque Estadual da Serra do Mar, Município de Paraibuna – SP” foi convidado para apresentação na V Feira Nordestina de Ciência e Tecnologia (FENECIT) e foi selecionado para representar o Brasil na I Sweep (2010), em Houston, Texas. Em conseqüência deste último trabalho, a Lidiane Assis Santos participou como delegada jovem, representando a comunidade do cambuci, no evento Terra Madre Brasil 2010, do movimento Slow Food.
A Oficina de Iniciação Científica Jr. deu origem, também, ao trabalho "Potencial de um Viveiro-Escola como Fomento de Educação Ambiental e Reflorestamento de Áreas Ciliares" de Pedro Paulo Gonçalves Barbosa (18 anos) e Diana D´Arc dos Santos. Este trabalho obteve o 1º Lugar no Congresso Aberto aos Estudantes de Biologia (CAEB), de 2009, durante a Semana de Estudos de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP-SP), concorrendo com 44 trabalhos de faculdades federais e estaduais na área de Educação e Extensão. Este projeto foi implantado em uma escola municipal de Paraibuna, com o financiamento da empresa Bananinha Paraibuna e selecionado para a edição de 2010 da FEBRACE. O Pedro Paulo Gonçalves Barbosa foi contratado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente para assessorar a replicação do projeto no projeto no município de Cajamar, SP.
O trabalho “Produção de Peixes no Reservatório de Paraibuna, Natividade da Serra e Redenção da Serra, São Paulo, Brasil”, de autoria do estudante do PJ-MAIS Levindo Cândido de Britto Neto e de outras duas jovens de Natividade da Serra, Marina dos Santos Rezende e Naiara de Faria Benedito, foi também desenvolvido no âmbito da Oficina de Iniciação Científica Jr. Este trabalho foi selecionado para a Febrace 2010 e foi apresentado para o Ministério da Ciência e Tecnologia - Semana Nacional do Meio Ambiente no Instituto Florestal, 2009. Além disso, foi apresentado, com resultados parciais, no IX Congresso Aberto aos Estudantes de Biologia (IX CAEB), na Unicamp, 2009.
Para a edição de 2011 da FEBRACE, foram selecionados três trabalhos de jovens que participaram da oficina Iniciação Científica Jr. Esta oficina contou com a colaboração de jovens da primeira turma do PJ-MAIS de Paraibuna.





COORDENADORA DO PROJETO
Eng. Agr. Dr. Carlos Alberto da Silva Fº
casf1960@yahoo.com.br



REALIZAÇÃO :


CONVÊNIO :


PARCEIROS :

Fauser Agroflorestal
Instituto Florestal
Prefeitura Municipal de Paraibuna
Associação Comercial e Empresarial de Paraibuna
Sítio do Bello
Sítio JJ
Sítio JM
UHE Paraibuna
Nicanor de Camargo
Fundação Cultural Benedito Siqueira e Silva



Parceiros
Atalhos

Reserva da Biosfera do Cinturão

Verde da Cidade de São Paulo

Mercado Mata Atlântica
Programa Mata Ciliar
 
  Todos Direitos Reservados ao Instituto H&H Fauser Desenvolvido por: